Header Ads

ad728

Mesmo criticado, final de 'O Outro Lado do Paraíso' consegue boa audiência



Walcyr Carrasco tentou defender “O Outro lado do Paraíso” na última semana, dizendo que “nunca quis ser realista” . E não foi mesmo. Mas também não foi fantasioso. Sendo assim, ele fez uma novela rasa, que não mergulhou em nenhum estilo e teve uma história fraca do começo ao fim.

“ O Outro lado do Paraíso ” começou a amargar logo no começo, e teve a primeira fase adiantada, tentando se recuperar na segunda, quando começaria a vingança de Clara (Bianca Bin). De fato, o momento deu um fôlego para a trama, mas não o suficiente para resgatá-la. As maldades de Sophia ( Marieta Severo ) ficaram impunes até o último capítulo, quando Mariano (Juliano Cazarré) surge literalmente dos mortos para cravá-la como culpada.

Sem ter como se defender, ela é acusada por seus assassinatos e, completando a vingança da mocinha, vai parar num manicômio. Previsível, assim como os “folhetins clássicos” que Carrasco prometia espelhar em sua trama.

Previsível também foi o final de Clara e Patrick (Thiago Fragoso) depois que ele surgiu como seu “salvador” e aliado, culminando em uma cena de sexo pesada para o horário e ruim. Menos previsível foi o show de Pabllo Vittar em meio ao velório de Caetana (Laura Cardoso). A dona do bordel ainda aparece dançando enquanto sobe aos céus, numa daquelas cenas que ficarão eternamente marcadas como sem sentido.


O tribunal

O tribunal em “O Outro Lado do Paraíso” parece um dos cenários dessas sitcons de câmera parada. Era lá que o elenco se reunia e eles podiam aproveitar os muito coadjuvantes sem função que a novela introduziu. No final não foi diferente, já que a cena do julgamento de Sophia ocupou quase metade do capítulo (que foi longo) e contou com todo o elenco lá, sentadinho e sem função.

No fim, Lívia (Grazi Massafera) não foi a vilã prometida e teve seu final feliz com direito ao milagre da gravidez. Renato (Rafael Cardoso) nem deu as caras, Beth (Glória Pires) virou estilista e desfilou seus looks na SPFW, com direito a uma micro, quase imperceptível participação da vencedora do “BBB 18” Gleici Damasceno e Estela (Juliana Caldas) ficou com as migalhas da mãe, abandonada pelos outros filhos.

A redenção de Gael

De todos os momentos do capítulo final, poucos causaram revolta como o de Gael (Sérgio Guizé). Um homem reformado, ele tem uma segunda chance depois que abandona o Tocantins (e seu filho) e vai tentar a vida no Rio de Janeiro. Antes de partir, ele ouve da ex-esposa, a quem ele bateu diversas vezes e estuprou, que será sempre bem-vindo em sua vida.
Mas, o momento mais surreal é quando ele quase atropela uma mulher que está fugindo do marido, que bateu nela, e a inventiva a denunciá-lo. Depois, ele conta que era como o marido da moça (Thais, em uma pontinha de Vanessa Giácomo), fato que deveria deixá-la ainda mais traumatizada, mas não. Eles se beijam e ela sai de um relacionamento abusivo para entrar em outro, com um homem com longo histórico de violência.

O final de “ O Outro lado do Paraíso ” ao menos foi consistente. Seguindo a linha do que foi toda a novela, o capítulo derradeiro foi arrastado e chato, se apoiando na sempre marcante presença de Fernanda Montenegro em uma cena final que mostra o cenário se desmontando, algo sem contexto nenhum.

De acordo com informações do site Notícias da TV, os números registrados no último dia da trama não foram satisfatórios para a Globo e acabaram frustrando a emissora. O esperado era que a novela de Walcyr ultrapassasse os 50 de média, e não que ficasse abaixo até do penúltimo capítulo, que registrou 38,6 pontos.

Nenhum comentário